EUA ESTÃO PREPARANDO UMA INTERVENÇÃO MILITAR SEGUNDO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA RUSSO

EUA ESTÃO PREPARANDO UMA INTERVENÇÃO MILITAR SEGUNDO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA RUSSO

Enviando militares à Colômbia e Porto Rico, os EUA estão preparando uma intervenção militar na Venezuela, disse o secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev.

Segundo Patrushev, a Venezuela não aceitou a ajuda humanitária americana porque entende que Washington planeja derrubar o presidente legítimo Nicolás Maduro.

"Manifestando sarcasmo e arrogância em relação ao povo venezuelano, os EUA estão preparando uma intervenção militar em um Estado soberano", disse ele em uma entrevista ao jornal russo Argumenty i Fakty.

Para Patrushev, "o envio das forças especiais americanas ao território de Porto Rico, o desembarque de unidades das Forças Armadas dos EUA na Colômbia e outros fatos revelam claramente que o Pentágono está reforçando seu agrupamento de tropas na região para usá-las na operação para remover do poder o atual presidente legitimamente eleito [Nicolás] Maduro".

"A grave situação humanitária no país a que se refere Washington foi causada precisamente pelas sanções e embargo americanos. Neste contexto, está sendo impingida sua ajuda humanitária", afirmou o secretário.

 Ajuda humanitária dos EUA à Venezuela contém bens vencidos, diz embaixador
Ele sublinhou também que a Rússia aceitou a proposta dos EUA para realizar consultas sobre a Venezuela, mas eles próprios "evitam-nas sob falsos pretextos, adiando os prazos acordados"

Conselho de Segurança da ONU se reunirá nesta terça-feira na Venezuela

Os Estados Unidos solicitaram uma reunião na Venezuela para terça-feira no Conselho de Segurança da ONU, segundo fontes diplomáticas.

O pedido dos EUA busca uma sessão aberta do Conselho de Segurança, que abordou a situação no país latino-americano em 26 de janeiro.

A petição dos EUA vem depois do regime de Nicolás Maduro o bloqueio no último sábado da entrada da ajuda humanitária organizada pela oposição com o apoio dos Estados Unidos e de outros países.

A situação foi analisada na segunda-feira, em Bogotá, em uma reunião do Grupo Lima, que inclui, entre outros, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence.

Segundo uma fonte diplomática, ainda não está claro quem representaria os Estados Unidos na sessão do Conselho de Segurança, cujo cronograma e detalhes ainda devem definir a presidência rotativa do órgão, que este mês ocupa a Guiné Equatorial.

Mourão: EUA não poderão usar território brasileiro em eventual intervenção na Venezuela.

O vice-presidente, Hamilton Mourão, disse nesta segunda-feira (25) logo após deixar a reunião do Grupo de Lima que o Brasil não vai permitir que os Estados Unidos usem o território brasileiro em uma eventual intervenção militar na Venezuela.
"Qualquer presença militar estrangeira dentro do território nacional tem que ser autorizada pelo Congresso Nacional. E o governo é contrário a essa posição", respondeu Mourão ao ser perguntado sobre o assunto durante uma entrevista à GloboNews.

EUA impõem novas sanções contra cidadãos da Venezuela
Durante reunião do Grupo de Lima na Colômbia, Mourão disse que acredita que a Venezuela pode retornar ao “convívio democrático” sem que para isso seja necessária a adoção de medidas extremas, ao mesmo tempo que reiterou o compromisso do Brasil com a paz no Hemisfério Ocidental.

“O Brasil acredita firmemente que é possível devolver a Venezuela ao convívio democrático das Américas sem qualquer medida extrema”, afirmou Mourão ao Grupo de Lima.

Em publicações em sua conta no Twitter, Mourão também defendeu uma solução pacífica para a crise venezuelana “sem aventuras”.

“Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão diplomática e econômica internacional para buscar uma solução pacífica. Sem aventuras. Condenamos o regime de Nicolás Maduro e estamos indignados com a violência contra a população venezuelana”, escreveu o vice.

Grupo Lima pede ao TPI que considere a "grave situação" na Venezuela

Grupo Lima na segunda-feira pediu ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para "tomar em consideração" a "grave situação da Venezuela e negação de acesso à assistência humanitária, que constitui um crime contra a humanidade."

Isso decorre da resolução adotada ao final da reunião em Bogotá, texto lido pelo ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo.

"A negação do acesso à assistência humanitária constitui um crime contra a humanidade, no caso de procedimentos que avançam sob o pedido apresentado pela Argentina", disse o grupo no texto.

"De Bogotá nós prendemos o usurpador Maduro qualquer ação violenta contra Guaidó, sua esposa ou sua família, que se tornaria não só um crime, mas resultaria em uma situação internacional que forçá-los a agir coletivamente o Grupo de Lima vai a todos os mecanismos legais e políticos ", disse o ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo.

    A REUNIÃO DO GRUPO

presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó disse segunda-feira na reunião de Lima que seu país "não há dilema entre guerra e paz", porque é a paz que deve "prevalecer", citado pela EFE.

"Não é uma questão de democracia ou ditadura, não há dilema entre guerra e paz, é a paz, a proteção dos cidadãos que deve prevalecer", disse ele em seu discurso na reunião.

Da mesma forma, afirmou que o governo de Nicolás Maduro "acha que bloquear a ajuda humanitária foi uma conquista" e que acredita que "normalizando a crise" o regime "poderá resistir".

"É importante que as pessoas saibam que os argumentos não são apenas a preocupação pela democracia, porque não há preocupação na Venezuela, ela está claramente agindo na recuperação da democracia na Venezuela e no respeito pelos direitos humanos", disse ele.

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, disse que o que aconteceu no sábado, na fronteira entre Colômbia e Venezuela não era um "movimento ousado de um líder triunfante", mas "ato desesperado de um tirano agarrados ao poder" em referência a Nicolás Maduro.

"O que temos visto nos últimos dias não foi uma jogada ousada de um líder triunfante, foi o ato desesperado de um tirano que se agarram ao poder através de tirania e intimidação", disse o vice-presidente em seu discurso na reunião do Grupo de Lima.

Pence disse na segunda-feira que na Venezuela "o socialismo está morrendo" e que "a liberdade e a prosperidade da democracia estão nascendo diante de nossos olhos".

"Na Venezuela, o socialismo está morrendo, a liberdade e a prosperidade da democracia renascem diante dos nossos olhos", disse ele em seu discurso na reunião do Grupo Lima.

Pence convocou os governos que apóiam o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, a retirar seu apoio porque, de outro modo, eles ficarão "isolados no mundo".

"Não pode haver espectadores na Venezuela. Após a brutalidade que o mundo viu no sábado, pedimos-lhe que reconsidere apoio ao tirano. Junte o povo venezuelano e retirar o apoio para a Maduro regime", disse ele em seu discurso na reunião do Grupo de Lima.

Por sua vez, o presidente da Guatemala, Jimmy Morales, disse que seu país rejeita uma possível intervenção militar na Venezuela como saída da crise política, econômica e social que existe no país.

"Para Guatemala a solução da crise na Venezuela corresponde aos venezuelanos. Nós respeitamos os princípios da territorialidade e do princípio de não-intervenção, de modo rejeitar qualquer solução militar ou ameaça de uso da força", disse o presidente.

Além disso, Hamilton Mourao, vice-presidente do Brasil, afirmou que as sanções internacionais contra a Venezuela devem afetar o "regime de párias internacionais" corporificado pelo governo de Nicolás Maduro.

"A verdadeira amizade com a Venezuela deve ser espremido por uma forte mobilização do povo venezuelano, que não podem cuidar do peso das sanções, que devem influenciar o regime, referindo-los todos para o status de pária internacional, que é o que nós somos" , disse em seu discurso na reunião do Grupo Lima.

 

Artigos Relacionados
COMENTÁRIOS

Olá, deixe seu comentário para EUA poderiam atacar Venezuela através da Colômbia ou Brasil, segundo analista

Enviando Comentário Fechar :/