Mais de 31 mil pessoas foram atacadas por águas-vivas no litoral do Rio Grande do Sul

Esse é o número de atendimentos feitos em postos salva-vidas no Rio Grande do Sul, nos últimos 20 dias.

“Foi um verão atípico até aqui”, disse à reportagem o tenente-coronel Jeferson Ecco, coordenador da Operação Verão no estado. Só no feriado do dia 1º, foram 5.500 casos.

O fenômeno também tem sido observado, em menor número, no litoral de Santa Catarina e do Paraná – onde foi registrada a presença de caravelas-portuguesas, um tipo de água-viva mais peçonhenta que a comum.

De cor arroxeada, a caravela-portuguesa tem uma espécie de “crista” bolhosa, preenchida com ar. Por isso, é carregada pelo vento e pode ser vista na superfície do mar. Suas toxinas são mais potentes do que as da água-viva comum, e provocam dores, queimaduras de até terceiro grau e, em casos extremos, reações alérgicas.

Na costa catarinense, foram cerca de 300 casos de queimaduras por águas-vivas desde meados de dezembro, um número menor do que na temporada anterior, e muito abaixo do recorde de verões passados, quando os feridos somaram 40 mil.

As caravelas, segundo o Corpo de Bombeiros, foram registradas apenas no litoral norte, na praia de Itapoá (SC), mas em pequena quantidade. Já no Paraná, foram cerca de cem feridos até aqui -um aumento de 22% em relação ao ano passado.

Caravelas-portuguesas foram vistas em diversos pontos do litoral paranaense, com uma “incidência bastante grande”, segundo a tenente Ana Paula Zanlorenzzi. Mas não há casos de atendimentos com maior gravidade.

De acordo com o oceanógrafo Frederico Brandini, professor da USP e conselheiro da Associação Mar Brasil, o número acima do normal de águas-vivas se deve a um provável desequilíbrio ecológico, que é comum a outras partes do planeta e pode estar relacionado a atividades que reduzem predadores naturais, como a pesca.

Uma combinação de correntes marítimas, altas temperaturas e elevada população de banhistas também explica o alto índice de incidentes, segundo o tenente-coronel Ecco, do Rio Grande do Sul. Bandeiras de cor lilás estão sendo usadas nos três estados para indicar a ocorrência de animais marinhos acima do normal, em trechos de praia.

O Corpo de Bombeiros recomenda que o banhista que se machuque com as águas-vivas procure imediatamente um posto salva-vidas, e faça o tratamento apenas com vinagre.

Água do mar também pode ser usada para lavar a área a fim de combater a ardência -mas nunca, jamais, água doce, areia, urina ou cerveja, orienta o coronel dos Bombeiros César de Assumpção Nunes, de Santa Catarina. Também não se deve esfregar a área atingida. (Jornal do Comércio)

Artigos Relacionados